CANAL AMBIENTAL: “Conscientização sobre o lixo nas prais” – Por Jailton Dias

Confira o artigo da coluna "Canal Ambiental" de hoje (25/03)

Olá amigos, hoje o nosso papo é sobre o lixo nas praias.
O que você faz com o lixo que produz quando está em uma praia?
Joga na lixeira? E quando não tem lixeira próxima? Coloca tudo em uma sacola? E em relação a esta sacola, deixa na praia, na felicidade, para a prefeitura recolher?
Toda esta questão amigos, passa pela educação e conscientização.
Somos responsáveis pelo lixo que produzimos. Não devemos esperar que o próximo faça o nosso papel, o próximo também tem este dever, mas nós também temos nossa obrigação.
Uma praia é um ecossistema marinho muito importante para nosso lazer, saúde e economia. Portanto, cada um tem seu papel principal em conservar a saúde ambiental deste ambiente.
Se não temos lixeira próxima, guardamos até levar e achar a mais próxima. Não podemos deixar na praia a mercê do vento, tempo, animais e etc… Para que estes aspectos levem a poluição das águas e areias. Por exemplo, o lixo descartado numa sacola e deixado na praia pode sofrer ação do vento e parar dentro d água, na água seus impactos são diversos, desde o consumo nocivo por animais até a contaminação da água e areia.
Um dos principais problemas no mundo hoje, e principalmente em nossos mares, é a poluição por plásticos. O macro e o micro plástico. O Brasil é o 4º maior produtor de plásticos no mundo e só recicla 1% destes materiais.
Cabe a nós o principal papel, fiscalizar e educar. Faça seu papel pelo Planeta, não espere ninguém fazer. Hoje temos o lixo plástico nos oceanos formando verdadeiras ilhas, temos no monte Everest um dos maiores picos do mundo, temos lixos nas profundezas do oceanos, temos praias que não se pode ter mais lazer pois estão tomadas por lixo na Índia.
Enfim, este lixo não chegou nestes locais sozinhos, nós o produzimos e descartamos em diferentes lugares de forma irregular e alguns foram parar neste locais tão distantes.
Vamos fazer a nossa parte, o Planeta agradece assim como nossas futuras gerações.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.