PARE E PENSE: “A síndrome de Damares” – Por Fabrício Valladares

Confira o artigo da coluna 'Pare e Pense de hoje (13/03)

Lógico que não existe síndrome nenhuma, eu apenas inventei esse título pra chamar a sua atenção. Agora que consegui, vamos direto ao assunto.

Damares Alves, ministra dos direitos humanos do governo Bolsonaro tem sido o principal assunto na mídia até hoje. Porque será?!?

Ela tem cometido um erro que todo mundo acaba cometendo sem perceber. Eu vou tentar explicar.

O mundo tem 7 bilhões de habitantes e cada um desses desenvolve a sua própria Cosmovisão.

Cosmovisão é a forma que cada um enxerga e compreende o mundo.

A nossa cosmovisão é desenvolvida segundo tudo e todos que ouvimos e aprendemos durante toda a nossa vida.

Todo ser humano tem seu compêndio de visão sobre crença, política e estilo de vida. E isso precisa ser respeitado e compreendido.

Damares Alves foi criada dentro das igrejas evangélicas, passou a vida ouvindo líderes e políticos evangélicos. Obviamente que sua cosmovisão pessoal é evangelical brasileira.

Onde ela errou então?

Damares esqueceu de algo muito importante. O Brasil tem 40 milhões de evangélicos e 200 milhões de habitantes.

Antes de ser ministra ela falava para o “micro” (e e quando se tornou ministra passou a falar para o “macro”, mas usando linguagem de micro.
Entendeu ???

Todos nós podemos cometer esse mesmo erro…

A esquerda brasileira cometeu esse erro quando esqueceu que governava para o macro e quis muito agradar o micro.

Quando ficamos muito dentro de um espaço micro ( igreja, quartel, Universidade etc.. ) não podemos negligenciar o macro.

O Brasil precisa ser respeitado como um todo, multicultural, místico, excêntrico, Continental, poli religioso etc…

O erro da Damares pode estar sendo cometido por você que está lendo esse texto, pelo simples fato de você não saber usar a sua rede social respeitando o macro.

Pense bem …

A nossa linguagem precisa ser carregada de cuidado e paciência.

Quando estou palestrando em uma igreja eu uso uma linguagem, mas quando palestro em uma Universidade eu preciso usar outra linguagem, porquê o ambiente esta carregado de uma múltipla cosmovisão.

Eu faço isso pra não sair com a fama de idiota.

Por mais culto que você seja, mas se você não souber respeitar a múltipla cosmovisão em sua volta, ficará também com fama de idiota por aqueles que não compreendem.

Charles Spurgeon disse que todo orador precisa ter dois sentimentos, paixão para alcançar a todos que o ouvem e raiva por não conseguir êxito.

Abraços em todos, e até a próxima semana!

 

*Pr. Fabrício Valladares escreve às quartas-feiras ao Blog Davi Matos 

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.