CANAL AMBIENTAL: “Capacidade de suporte como ferramenta básica de gestão ambiental” – Por Jailton Dias

Confira a seguir a coluna Canal Ambiental de hoje (11/03). Estamos de volta após o período de Carnaval.

Amigos, hoje o papo é técnico acadêmico. Não se limitem ao papo do dia a dia, nos ajudem conhecendo os conceitos ambientais com o objetivo de mudar a triste relação humana atual com o meio ambiente.

Então, o que é isso?

Umas das técnicas mais utilizadas para saber o quanto o meio ambiente pode “suportar” de pressão humana é o estudo da capacidade de suporte deste ambiente. Pressões físicas, químicas ou biológicas acontecem a todo o momento. Quando você liga seu carro você está emitindo também gás carbônico, que é absorvido pelos vegetais e assim o equilíbrio permanece.

E quando se emite mais gás carbônico que os vegetais podem assimilar?

Este gás fica na atmosfera provocando então o efeito estufa.

Bem, agora acho que estamos no caminho deste entendimento. Vejamos, hoje enfrentamos uma superpopulação tanto de habitantes quanto, no nosso caso, de turistas e nossos ambientes devem estar protegidos através de regras de visitação e convívio. A maioria dos parques (unidades de conservação) nacionais utilizam-se desta estratégia para manter sua integridade. Exemplos como: números de visitantes/dia, número de trilhas, utilização e tipos de aparelhos eletrônicos, formas de se comportar, regras de lixo e de alimentação e etc, são ferramentas estabelecidas ou impostas ao público após o estudo do quanto aquele ambiente pode suportar por dia, mês ou ano. Isto é: capacidade de suporte.

Embora complexo, o estudo pode fornecer dados de como e quando devemos atuar na gestão dos ambientes para que estes ambientes ainda permaneçam por muito e muito tempo visitados e contemplados pelas gerações futuras. Enquanto o Brasil está engatinhando nestes estudos podemos amparar nossos ambientes desenvolvendo regras e informações (mecanismos de educação ambiental e fiscalização) de como o público deve se comportar na sua visitação e relação com o ambiente visitado; isto sim baseado em modelos de sucesso no mundo.

Não obstante disso devemos provocar e provocar cada vez mais a nossa sociedade que hoje vive no imediatismo e nos questionamentos sem base técnica. A sociedade deve se preparar em sua áreas e ser uma entidade fiscalizadora, modificadora e ativa em todos os seguimentos.

Amigos, por hoje é só. Peço encarecidamente que cada um faça seus cinco minutos de exercício de civilidade ambiental por dia, já seria de grande ajuda para o planeta e para nossa região.

Obrigado e fiquem com Deus. Encontre-nos para bater um papo nas mídias sociais como Instagram (@jailtonmar) e Facebook. E não se esqueça, também estamos por aqui no Blog Davi Matos às segundas-feiras.

 

 

*Jailton Dias é radialista, ambientalista e colunista do Blog Davi Matos. Também já ocupou o cargo de Secretário de Meio Ambiente de Cabo Frio entre 2013 e 2016.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.