Como Cabo Frio ainda se intitula uma cidade turística?

Os tempos de paz e prosperidade em Cabo Frio ficaram em um passado bem distante. A verdade nua e crua é que a nossa cidade deixou de ser turística – melhor dizendo, deixamos de atrair um turismo de qualidade. A falta de atenção e investimento do governo no desenvolvimento da cidade, ao longo dos anos, fez com que a gente perdesse os atrativos.

A gestão do ex-prefeito Alair Corrêa foi a que mais pensou no futuro da cidade. Grandes obras marcaram os anos do seu governo. Um bom exemplo é a Nova Orla da Praia do Forte, a Praça dos Quiosques e a das Águas, que formam um conjunto arquitetônico e com as belezas naturais da praia completam o belo visual, que se tornou um dos mais visitados pontos turísticos de Cabo Frio. O governo de Alair Corrêa também foi o responsável pela construção do Teatro Municipal, do Aeroporto Internacional e de outras infinidades de projetos, que fizeram de Cabo Frio o 7° destino mais procurado do Brasil e deram à cidade o título de “Capital da Região dos Lagos”.

Infelizmente o sucessor de Alair não deu continuidade ao cronograma de investimentos no Turismo e no desenvolvimento da cidade. Marquinho Mendes, nos oito anos anteriores em que administrou Cabo Frio, não deixou legado algum para o setor – para não dizer que não construiu nada, ele fez a Praça da Cidadania, e só. Outro referencial da gestão de Alair Corrêa foi perdido: as festividades. No Réveillon, por exemplo, a Prefeitura colocava 9 balsas na Praia do Forte – sendo 5 grandes e 4 pequenas, que formavam um grande show pirotécnico para celebrar a chegada de cada novo ano. Neste período, cerca de 1 milhão de pessoas vinham para Cabo Frio. A Praça das Águas, citada acima, foi destruída devido a falta de manutenção, e os seus arredores estão na mais completa escuridão. Todos os modernos equipamentos que faziam os chafarizes e as lâmpadas funcionarem foram ROUBADOS – até hoje ninguém sabe por quem.

Hoje Cabo Frio é uma cidade sem vida. Não há atrativos. O comércio da cidade está quebrando aos poucos. Os servidores públicos estão com seus salários atrasados, o arbitrário governo de Marquinho Mendes fechou escolas e hospitais, as ruas estão escuras, esburacadas, os semáforos em sua maioria estão sem funcionar, e a maioria das lixeiras colocadas pela COMSERCAF na gestão Alair Corrêa, seguindo o cronograma de cores da Setorização Cromática (onde cada bairro tinha a sua cor), foram danificadas ou roubadas, sem que novas lixeiras fossem instaladas.

Enquanto isso, secretários do atual governo foram presos – acusados de montar um esquema criminoso para desvio de dinheiro público – e o atual prefeito é investigado por corrupção.

Devido a tudo isso, me pergunto: como ainda podemos caracterizar Cabo Frio como uma cidade turística? No mínimo devemos chamá-la de uma terra sem lei.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.